MIRAGENS NO DESERTO – SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD

POR: KIKO BUNGUS

MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD

Eu já estava a uns 4 meses lá na Califa ralando umas 14 horas por dia e trabalhando em pelo menos 4 fábricas de pranchas, laminando, lixando e fazendo consertos pra mandar grana pra minha família aqui no Brasa.

Uma vez que depois que a Argentina quebrou no verão de 99 pra 2000 a minha mamata de fazer no verão grana suficiente pro ano todo acabou, foi então que apareceu no apartamento que eu morava com amigos lá em San Diego meu camarada Guruba e os planos que Marco Alves, Betinho Bogado, Diogo bodiboard e eu tínhamos de dar um surf em Isla Natividad (Cabo San Lucas, Baja Califórnia) no próximo grande swell de sul se tornou realidade.

MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD
MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP

A empolgação era grande tanto pelo tamanho do swell quanto pela barca em si, só com camaradas, e na madrugada a barca saiu em 2 carros pra fazermos a travessia de quase 20 horas de San Diego até lá seguindo pelo meio do deserto escaldante.


Atravessar a fronteira e depois a cidade de Tijuana na madruga é algo bem tenso, mas deu tudo certo e seguimos bem a travessia do deserto só parando vez por outra nas inúmeras duras do exército mexicano na estrada atrás de traficantes de drogas, sempre com muitos cães farejadores, pessoal altamente armado e um calor dos infernos.


Chegamos em Baia Tortuga, onde iríamos pegar o bote pra Natividad de noite e dormimos numa pousadinha simples e cheia de cucarachas pra partirmos na manhã seguinte.


O caminho pra ilha de barco leva aproximadamente 1 hora com o mar calmo que estava e a chegada na ilha foi cheia de expectativas.


Isla Natividad é uma ilha pesqueira com clima desértico e as únicas 2 árvores lá estão no pequeno povoado de pescadores que é o maior pesqueiro de lagostas do mundo e onde é possível comprar uma lagosta grande por apenas 1 doleta.

MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD
MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD

Fomos nos instalar na pousada do Chatanuga, a única que existia, mas um grupo de gringos já estava ocupando todos os quartos e tivemos que nos contentar com uma pequena casa que o Chatanuga conseguiu pra nós.

Era simples mas dava pro gasto.


Tudo instalado no cafofo a próxima providência era conseguir um carro pra irmos checar o pico que ficava a uns 5 KM do pueblo.

Alugamos uma jabiraca e partimos.
No pico a visão foi meio broxante, o mar de águas cristalinas e surpreendentemente quente pela localização geográfica tava perfeitinho mas minúsculo, o jeito era esperar o swell encostar e darmos mais uma checada no meio da tarde.


Voltamos pro cafofo e o negócio era tomar uma geladas, comer lagosta até sair pelos olhos e relaxar ao calor de 45° num desconforto do carái, ainda mais com um monte de aves marinhas gralhando sem parar, uma vez que a ilha também é uma das maiores colônias de aves marinhas do mundo e víamos a todo momento jovens aves caminhando pelas vielas do pueblo e querendo entrar nas casas pra comer alguma coisinha.


Contávamos os segundos pra voltarmos a ver o mar e quando demos o outro check a visão já era outra.

Embora não muito grande as ondas pareciam a Lage do Bode em Noronha, vindo paredes de direita atrás de um costão, encaixando na bancada e abrindo paralelas a um braço de areia como o pontal da Praia da Daniela aqui em Floripa.

Alvoroço total com todo mundo indo pra água ao mesmo tempo.


A raça fez a cabeça e nem se importou muito com a presença de uns gringos marrentos quebradores que pareciam estar fazendo uma super produção cinematográfica.

Alguns deles até pareciam familiares.


A noite seria fácil de dormir, não fosse pelos gringos doidões na pousada do Chatanuga, que ficava pertinho, fazendo algazarra típica de bêbados. Mas isso era bom sinal, na manhã seguinte não estariam no mar.

MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD
MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD

No outro dia já estávamos nos preparando pra sair pro mar empolgadassos quando apareceu um dos gringos doidão com uma gelada na mão e falando coisas meio desconexas.

Era o Timmy Turner, um ex surfista profissional e esqueitista que após sofrer um grave acidente andando de skate quase morreu e teve que fazer um tratamento médico milionário pra se curar de uma infecção bacteriana que pegou em seu cérebro durante o tratamento.

Fizeram uma campanha que arrecadou milhões por ele ser muito conhecido lá.

Com o dinheiro ele pagou o tratamento e com a grana que sobrou montou uma produtora de vídeos de surf com estrutura invejável e agora percorre o mundo fazendo vídeos.

Ele contou que estavam ali porque ao seguirem por uma estrada pelo deserto ali por perto uma das camionetes do comboio deles se perdeu quando o reboque de jet skis caiu em uma vala e bateu forte.

Estavam esperando a camionete ser consertada e ficariam por ali algum tempo. Noticia triste!

Não nos veríamos livres daqueles gringos folgados por algum tempo.

Caras como Tim Curram estavam na barca dele e eram bem chatos dentro d’água!

O Timmy ainda encheu nosso saco até que cada um de nós botasse a mão na cabeça dele pra sentir o movimento do seu cérebro por baixo de um implante de plástico que teve que botar pra substituir um pedação de osso da caixa craniana.

Bicho piradasso!

Ele tava proibido de beber álcool mas bebia todas e ainda tomava várias outras substâncias pirantes.

Perdeu o medo da morte!


Finalmente fomos pro pico e aí sim vimos o paraíso.

O Swell encostou com ondas de 1,5 metros com maiores e tubos cristalinos incessantes pros 2 lados.

MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD
MIRAGENS NO DESERTO -SURF TRIP EM ISLA NATIVIDAD

Surfamos o melhor dia sozinhos enquanto os gringos tavam lá se recuperando.

Quando eles chegaram a tarde nós já estávamos de cabeça feita e fomos comer.


Naquele dia almoçamos no Chatanuga porque ninguém conseguia fazer mais nenhum esforço e até levantarmos o braço pra comer era sacrificante!


Foi aí que aprendi a fazer o melhor Guacamole e cuja receita uso no meu restaurante.


Surfamos Natividad por mais 2 dias sempre no mesmo esquema, com os gringos ficando loucos a noite e fazendo algazarra e nós surfando sozinhos pela manhã.


Quando o swell foi embora é como se a miragem tivesse desaparecido. O mar virou uma lagoa cristalina.


A volta pra San Diego foi muito mais emocionante que a ida pra Natividad, mas aí já é outra história.

DICA DE LEITURA IN PARADISE

IN PARADISE LOJA

🌴Acesse: http://inparadise.com.br
🌴Entre pro nosso Grupo de Boletim das Ondas do Telegram: https://t.me/inparadisesurfgrupo
🌴Canal Telegram: https://t.me/inparadise
🌴Siga-nos no Instagram: https://www.instagram.com/inparadise_site/
🌴Facebook: https://www.facebook.com/siteinparadise/
🌴Twitter: https://twitter.com/SiteInParadise
🌴Pinterest: https://br.pinterest.com/inparadisebr/

🌴You Tube: https://www.youtube.com/Siteinparadise

BAIXE NOSSO APP E FIQUE LIGADO EM TUDO QUE ACONTECE POR AQUI!

Confira mais promoções no In Paradise! Clique aqui!
IN PARADISE RADIO! OUÇA SEM MODERAÇÃO! CLIQUE AQUI!

In Paradise é um site de variedades e estilo de vida, voltado aos esportes, cultura e meio ambiente. Desde sua fundação em Abril de 2013, vem conquistando novos internautas apaixonados por esse nicho a cada dia. Esses internautas são homens e mulheres espalhados pelo mundo, que gostam de estar sempre antenados nas novidades e de experimentar coisas novas e divertidas.

Somos apaixonados por esportes, cultura, meio ambiente, moda, designer, fotografia, gastronomia e tudo que existe por ai de mais criativo.

Além disso, o In Paradise tem um layout amigável e integrado com as principais redes sociais interativas. O site se conecta com seus leitores por meio de um editorial relevante e original, construindo uma relação fiel de parceria com seu público.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.