A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)

A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)

POR: KIKO BUNGUS

O embate ainda é grande em relação a real origem do surf, se foi na Polinésia ou na costa peruana até o sul do Equador.
 
Recentes estudos genéticos colocaram ainda mais lenha na fogueira ao definir os sul americanos como os verdadeiros ancestrais dos povos polinésios.
 
Bom, mas o assunto é a evolução das quilhas e se lá no princípio, tanto nos Cabalitos de Totora peruanos quanto nas pranchas de troncos rudimentares polinésias não existiam quilhas e a direção era dada por um remo de bambu no caso dos Cabalitos e com as mãos no caso das pranchas polinésias, a falta de estabilidade e dificuldade pra direcionar as pranchas assim que o surf se difundiu, levou surfistas lendários a procurarem formas de trazer a estabilidade e direcionamento pras pranchas.
A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)
A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)
Foi assim que em 1935, o californiano Tom Blake, aproveitando a quilha de um barco abandonado, introduziu a quilha nas pranchas e o resultado foi exatamente o desejado.
 
A partir daí o surf nunca mais foi o mesmo.
 
Conceitos hidrodinâmicos empregados na navegabilidade dos barcos foram experimentados nas pranchas e dessa forma surgiram as biquilhas, quando em 1948, Bob Simmons criou a 1ª biquilha, dando as pranchas ainda mais direcionabilidade, estabilidade e manobrabilidade, possibilitando que elas diminuíssem ainda mais de tamanho e ficassem cada vez mais versáteis.
A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)
A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)
A década de 50 se caracterizou pela experimentação no out line das pranchas, com o surgimento das rabetas fish (swallow), os wings e diferentes formas de quilhas, desde as Butterfly (quilha imitando as asas de uma borboleta semi abertas) e quilhas com base mais estreita e menores.
 
As biquilhas dominaram o surf nos anos 70 e início dos anos 80, popularizadas pelo tetra campeão mundial Mark Richards, que impressionava com a forma como atacava e manobrava nos pontos críticos da onda com muito radicalismo e segurança.
 
Mas as biquilhas não funcionavam tão bem em ondas grandes e fortes, nem pra pessoas muito grandes e pesadas e foi por isso que no inicio dos anos 80 Simon Anderson, inspirado por um amigo, testou e aprovou a adição de uma 3ª quilha na biquilha que usava e logo o conceito se difundiu, pois se mostrou muito eficiente pra compensar as deficiências das biquilhas.
A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)
A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)
Os anos 80 também se caracterizaram por diversas outras experimentações em termos de adição de quilhas, com o surgimento das quad (Ricardo Bocão é considerado por muitos o idealizador), a Star Fin (uma única quilha com a ponta estrelada) e diversos tipos de fundos e rabetas, incluindo as pranchas assimétricas, com um lado da prancha com out line diferente do outro lado.
 
E então nos anos 90, com o circuito mundial ganhando cada vez mais etapas, força, visibilidade e atletas, que tinham que levar cada vez mais pranchas, surgiu a necessidade de diminuir o volume ocupado pelas pranchas e resolver o problema da fragilidade das quilhas, que se quebravam com frequência no transporte.
 
Pra resolver a questão foram pensadas e desenvolvidas diversas tecnologias e formas pra usar quilhas móveis, com diferentes tipos de encaixe que foram sendo testados, até que nos anos 2000 a FCS desenvolveu um sistema de plugs de encaixe realmente funcional e revolucionário, que além de permitir colocar e retirar as quilhas com segurança e agilidade, também acrescentou o conceito de diversas formas de quilhas, desde as menores pra dias pequenos, até as maiores, pra dias de ondas mais fortes, e com isso uma prancha podia mudar radicalmente de performance apenas mudando o modelo e tamanho das quilhas.
A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)
A EVOLUÇÃO DAS QUILHAS DE PRANCHAS DE SURF. (PARTE 1)
A última inovação importante foi o desenvolvimento das pranchas com hydrofoil, que permitem muito mais estabilidade e segurança em ondas gigantes ou mesmo em travessias, com um mínimo de resistência.
 
Impossível imaginar pra onde vai a evolução das quilhas das pranchas, ou mesmo das pranchas, mas se vê claramente que o surf em piscinas se tornará cada vez mais relevante e será determinante pra evolução do esporte.

DICA DE LEITURA IN PARADISE

IN PARADISE LOJA

🌴Acesse: https://inparadise.com.br/

🌴Entre pro nosso Grupo de Boletim das Ondas do Telegram: https://t.me/inparadisesurfgrupo

🌴Canal Telegram: https://t.me/inparadise

🌴Siga-nos no Instagram: https://www.instagram.com/inparadise_site/

🌴Facebook: https://www.facebook.com/siteinparadise/

🌴Twitter: https://twitter.com/SiteInParadise

🌴Pinterest: https://br.pinterest.com/inparadisebr/

🌴You Tube: https://www.youtube.com/Siteinparadise

BAIXE NOSSO APP E FIQUE LIGADO EM TUDO QUE ACONTECE POR AQUI!

Confira mais promoções no In Paradise! Clique aqui!

IN PARADISE RADIO! OUÇA SEM MODERAÇÃO! CLIQUE AQUI!

In Paradise é um site de variedades e estilo de vida, voltado aos esportes, cultura e meio ambiente.

Desde sua fundação em Abril de 2013, vem conquistando novos internautas apaixonados por esse nicho a cada dia.

Esses internautas são homens e mulheres espalhados pelo mundo, que gostam de estar sempre antenados nas novidades e de experimentar coisas novas e divertidas.

Somos apaixonados por esportes, cultura, meio ambiente, moda, designer, fotografia, gastronomia e tudo que existe por ai de mais criativo.

Além disso, o In Paradise tem um layout amigável e integrado com as principais redes sociais interativas.

O site se conecta com seus leitores por meio de um editorial relevante e original, construindo uma relação fiel de parceria com seu público.

Deixe seu comentário!

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.